CONVERSA DE BARBEARIA / José Olívio

De tanto ouvir casos de tio Álvaro Nascimento (Mestre Álvaro do Violão), colhidos durante o seu ofício de barbeiro ao longo da vida, nasceu a ideia de escrever este Conversa de Barbearia, adicionando casos de barbearias outras que, apesar da modernidade, mantiveram o tradicional quadro de clientes masculinos. É um tema que atinge de ponta a ponta todo e qualquer país.

Assim se manifestou Antônio Torres, da Academia Brasileira de Letras: “E deixemos mais claro ainda que nem todos os acontecimentos que motivam as crônicas deste livro estão em Alagoinhas. Mas mesmo nestes casos, e com raríssimas exceções, é desta cidade que o cronista os observa. E chega de papo à porta da barbearia de José Olívio. Pode entrar que a casa é sua. E divirta-se”.

José Olívio Paranhos Lima nasceu em Catu (BA) e cedo passou a morar em Alagoinhas (BA), onde se criou e até hoje vive. É filho de Olívio Pereira Lima e Amélia Paranhos Lima, mas criado por sua segunda mãe, Gedalva Ramalho Lima, que inclusive o alfabetizou. Casou-se com Regina Lúcia de Santana Lima e dessa união nasceram três filhos, e, por conseguinte, netos. Aventurou-se no ramo do cordel, da música (compositor) e da poesia, com várias publicações nesse sentido. Possui graduação pela Uneb e Faculdade Santíssimo Sacramento, é arte-educador e facilitador de Oficina de Literatura de Cordel. Conversa de Barbearia é o terceiro livro de crônicas que escreveu, cumprindo sempre o ritual da crônica, ou seja, de ser publicada antes em jornal e revista (hoje na rede social) e depois selecionada para o livro. Foi assim desde que publicou Amendoim Torrado, o qual mereceu três edições e até lhe rendeu esse apelido em Alagoinhas. Martim Pescador foi o segundo que escreveu, cujos textos, como os anteriores, foram publicados em jornais e revistas do interior e da capital baiana. O critério foi sempre o mesmo: aquela crônica que provocasse mais riso ou fosse mais comentada teria sua perenidade em livro, como se cumprisse uma sentença por ter agradado. O título “Conversa de barbearia”, como era de se esperar, aguça o apetite do leitor, pois trata-se de um assunto por demais recorrente em todo município, capital, país, em qualquer parte do mundo: as conversas ocorridas em uma barbearia. Enquanto houver cabelo crescendo, haja tesoura para cortar. Por isso o barbeiro é o mais feliz de todos os profissionais.
Contatos
jose-olivio@hotmail.com
(75) 3422-3618

Serviço:

Conversa de Barbearia
Crônicas
José Olívio

Scortecci Editora
Crônicas          
ISBN 978-65-5529-167-4
Formato 14 x 21 cm 
120 páginas
1ª edição - 2020
Preço: R$ 30,00

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home