Tatiana Ranzani Maurano - Autora de: A Condição Feminina em Maria Lacerda de Moura

Tatiana Ranzani Maurano. Nascida em 02 de abril de 1977 em Piracicaba, interior do estado de São Paulo. Psicóloga, psicodramatista, mestre e doutoranda em Educação. Sempre atuou profissionalmente na área social, trabalhando com populações historicamente negligenciadas, profissionais do sexo (mulheres, travestis e homens), usuários de drogas e populações em situação de rua em Piracicaba/SP e Recife/PE. No seu trabalho social o que mais a interessava investigar é a opressão histórica da mulher, o que a levou para o mestrado e doutorado em educação e pesquisar a produção escrita da feminista, anarquista e anticlerical Maria Lacerda de Moura.

A Condição Feminina em Maria Lacerda de Moura
A proposta deste estudo é trazer as contribuições dos escritos da educadora, feminista e anarquista do início do século XX, Maria Lacerda de Moura (1887-1945) sobre a condição feminina, fazendo aproximações possíveis dentro da discussão das categorias de gênero, patriarcado e educação e tomando como objeto de estudo seu segundo livro, Renovação, escrito em 1919. O objetivo foi fazer uma análise de configuração textual da obra Renovação e, assim, trazer à tona seus argumentos sobre a condição feminina e a educação em seu tempo, bem como os desdobramentos para os desafios da atualidade. Assim, como instrumento para o desenvolvimento de tal proposta, buscamos nos apropriar dos estudos de Maria do Rosário Longo Mortatti sobre a Análise de Configuração Textual, considerando as categorias gênero, patriarcado e educação como focos da análise. A compreensão da história da sociedade e, dentro dela, a de um determinado grupo social oprimido, bem como as elaborações do pensamento para a superação dessa condição, é crucial para captar a dimensão da dominação masculina dentro dela e, assim, buscar a transformação dessa realidade. Nas leituras feitas sobre os escritos de Maria Lacerda de Moura, destaca-se seu diferencial em relação aos pensamentos e escritos das mulheres brasileiras de sua época. Historicamente falando, Lacerda é de uma época em que as mulheres estavam lutando por seus direitos a melhores condições de trabalho e ao sufrágio. Destaca-se o que já falava a autora sobre a mulher poder escolher com quem vai se envolver, sobre a importância de ela estudar, de instruir-se, sobre amor livre, sobre a escolha de ter ou não ter filhos, sobre sua condição de subjugada, tutelada, não apenas nas questões dos direitos, mas também nas questões do cotidiano, em um nível mais simbólico e particular, algo que começou a ser mais discutido e pontuado a partir da segunda metade do século XX (1960-1970). Nesse sentido, é notório o quanto Maria Lacerda de Moura ainda pode contribuir para as questões relacionadas à condição e subjugação feminina e para a reflexão sobre os conceitos de gênero, patriarcado e educação. Revisitar seus escritos, ou seja, olhar para a história, é ter cada vez mais a percepção do quanto a opressão da mulher está enraizada na construção histórica em nossa sociedade e do quanto ainda se mantém nos dias de hoje, seja pela não garantia dos direitos que conquistados, seja pela opressão simbólica e histórica que ela sofre cotidianamente. Revisitar sua obra foi a descoberta de caminhos para a renovação social.

ENTREVISTA

Olá Tatiana. É um prazer contar com a sua participação no Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Este livro é resultado da minha dissertação do mestrado em educação, faço uma análise de configuração textual do segundo livro da anarquista Maria Lacerda de Moura, utilizo as categorias de gênero, patriarcado e educação para essa análise. O livro se destina a todas as pessoas que tenham o interesse de conhecer um pouco sobre o pensamento de Maria Lacerda de Moura e sobre a opressão histórica das mulheres perante o sistema patriarcal que nos foi imposto.
 
Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Eu sempre gostei de escrever, escrevo desde os doze anos de idade como uma forma de me expressar, mas nunca havia publicado nada, até agora. Este livro é um sonho realizado, mas não pretendo parar por aqui, quero continuar estudando e possibilitando dividir e compartilhar conhecimento.
 
O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?

Infelizmente a leitura não é algo valorizado em nosso país, nos mais diversos âmbitos e consequentemente o a vida de um escritor ou de uma escritora não nada fácil no Brasil.
 
Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Meu tio paterno publicou um livro por esta editora.
 
O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Eu o escrevi no intuito de possibilitar a leitura sobre a obra desta grande pensadora brasileira, pouco conhecida pela maioria da população. Então, como diz a própria Maria Lacerda de Moura, eu escrevi este livro para vocês, uma oportunidade de refletirmos um pouco sobre a condição feminina da mulher brasileira.

Maria Cristina Andersen
Blog do Escritor

Curta nossa página no Facebook
Facebook

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home