Su Canfora (Sueli Maria Ferreira Canfora)

Su Canfora Nome literário de Sueli Maria Ferreira Canfora.
Há muito tempo atrás, mas nem tanto... Nasceu na cidade de São Paulo Sueli Canfora. Uma garotinha muito teimosa e sonhadora, ela achava que seus sonhos nunca se realizariam. Ouviu tantas histórias que passou a acreditar que tudo era possível. Com muito esforço se tornou professora formada em Letras, constituiu uma linda família, se classificou e foi premiada em concursos literários. Em um momento espinhoso da vida descobriu-se contadora de histórias, realizando assim, mais um de seus sonhos impossíveis. Fez pós-graduação em Literatura Infantil e Contação de Histórias.
Hoje, morando em Mogi das Cruzes, realiza o sonho de ser escritora e contadora de histórias. Anda por aí contando e encantando histórias próprias e de outros escritores. Leva para seus ouvintes de todas as idades, a mensagem que, só não é possível, o sonho que não se sonha.

Minha caminha de algodão
Dudu, um garotinho persistente, cheio de vida e com aquela teimosia pura e divertida de toda criança.
Com muita leveza, através de um segredo de Dudu, a história leva o leitor a refletir sobre algo especial que todas as pessoas precisam. Bora lá ler e descobrir o que é.

ENTREVISTA

Olá Sueli. É um prazer contar com a sua participação no Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Meu livro fala sobre Dudu, um garotinho muito esperto que de repente começa a dizer que quer sua caminha de algodão, ninguém entende o que ele quer dizer e de onde veio tal expressão. De forma sutil a história aponta a importância dos valores familiares.
Um dia uma colega de trabalho ao se despedir de mim disse que iria descansar em sua casinha de algodão, ao questionar onde leu ou ouviu tal expressão ela me explicou que o filho quando era pequenino começou a dizer isso. Achei a frase linda e criei a história.
Para mim histórias não tem idade, todos podem tirar um aprendizado, no mínimo, ter uns minutos de enlevo e descanso, sem contar que todos temos um cantinho de algodão. Se é para delimitar uma idade diria para crianças de até oito ou nove anos.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Nasci, cresci e me formei na cidade de São Paulo. Hoje moro em Mogi das Cruzes. Em meio a muitas dificuldades me formei em Letras e fui professora pública estadual por 28 anos, sou pós graduada em Literatura Infantil e Contação de Histórias. Há bem pouco tempo percebi que sou uma desbravadora, ninguém, antes de mim, na história de minha família paterna ou materna concluiu os estudos e muito menos chegou a um curso superior. Em um momento difícil em que tive que me afastar da sala de aula, algo que eu amava fazer, descobri a contação de histórias, um sonho que estava semi adormecido em um canto do coração e me parecia impossível, aliás, tudo me parecia humanamente impossível, estudar, constituir uma família, ser contadora de histórias, ser escritora. As muitas histórias que ouvi e li me fizeram acreditar que era possível e me impulsionaram a lutar por meus sonhos e ideais.
Certamente realizei um sonho Plantei uma árvore, tive duas filhas e escrevi um livro, mas esse é só o começo, além de muitas crônicas e poesias que escrevo desde bem jovenzinha, tenho histórias infantis prontas e outras nascendo. Quero passar para meus leitores e ouvintes que só é impossível o sonho que não se sonha. Tenho muito o que dizer.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Até 2014 fui professora estadual, eventualmente ainda dou aulas em um projeto aqui outro ali. Sou contadora de histórias há onze anos, oficineira e artesã. Não tenho uma vivência que me leve a uma opinião formada sobre esse assunto, mas sei que o caminho é árduo e sem dúvida com muitos obstáculos a transpor.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Em uma dessas agradáveis e gratas surpresas da vida deparei em meu Facebook com a escritora Cléo Busatto, tinha acabado de usar seu livro para fazer meu TCC de pós graduação. Agradecendo a ela e falando do meu sonho de publicar um livro ela me aconselhou a procurar a Editora Scortecci.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Minha história e meu livro foram produzidos com muito carinho. As falas do menino Dudu são baseadas na fala de minhas filhas e sobrinhos, é certo que tanto crianças como crianças adultas irão se identificar.
Vou reforçar o que já disse - Só não é possível o sonho que não se sonha.

Maria Cristina Andersen
Blog do Escritor

Curta nossa página no Facebook
Facebook

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home