Raquel Rodrigues (Raquel de Fátima Rodrigues)

Raquel Rodrigues é paulista de Jundiaí, formada em Administração de Empresas pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Vive em São Paulo, palco de suas histórias.
Escreveu um livro chamado Tensão no Ar que agradou as pessoas e a incentivaram a escrever um segundo livro. Decidiu encarar o desafio e nasceu Amnésia, seu segundo livro.

Amnésia
Kelly e Letícia são duas médicas que vão à praia, em um fim de semana, em busca de descanso e relaxamento. Porém Thor, o labrador de Letícia, localiza um homem inconsciente e ferido gravemente na cabeça. Cumprindo o dever ético de sempre lutar pela vida, as médicas socorrem o homem, levando-o imediatamente para o hospital. A neurocirurgiã Kelly o opera, e o paciente entra em coma. Inicia-se então uma investigação para descobrir a identidade dele. Quando, finalmente, o homem desperta, ele não se lembra do que aconteceu. Amnésia traz a saga desse homem, de sotaque estrangeiro, em busca de respostas. Quem atirou em sua cabeça? Por quê? O que ele fazia no Brasil? E, principalmente, quem é ele? Curiosa e interessada, a doutora Kelly se empenha em ajudá-lo. Ela só não imagina o que está por vir...

ENTREVISTA

Olá Raquel. É um prazer contar com a sua participação no Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Trata-se de um suspense policial. Escrevi um livro chamado Tensão no Ar que agradou as pessoas e me incentivaram a escrever um segundo livro. Decidi encarar o desafio e nasceu Amnésia, meu segundo livro. As histórias são para um público adulto.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Em princípio era como plantar uma árvore, mas agora alguns amigos já me pedem um terceiro livro. É bastante provável que eu escreva.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Sou principiante, não tenho referência de vida de escritor, mas espero que cada vez mais pessoas leiam vários livros e que a cultura melhore no país de modo geral.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Tive a indicação de um amigo.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Acredito que sim porque as pessoas tem gostado, e à quem se aventurar a ler o meu livro, garanto que terão algumas horas de emoção e deleite.

Maria Cristina Andersen
Blog do Escritor

Curta nossa página no Facebook
Facebook

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home